O Medo e a Ganância

Tanto haveria para falar sobre estas duas emoções, mas neste momento em que tantas pessoas perdem tanto dinheiro torna-se mandatório. É verdade o medo está aí e quase toda gente o sentiu na pele. Dia após dia (quem não saiu a tempo), viu o seu património ser delapidado sem descanso. Houve ainda aqueles que sairam a tempo e viram o fim desta crise cedo demais. 

Os mercados financeiros são conduzidos por sentimentos, sentimentos esses que se resumem a medo e ganância. Assim foi constatado ao longo dos tempos.

Deixar-se levar por qualquer uma destas emoções resulta quase sempre em maus resultados para a sua carteira de investimentos. Durante o último ano é o que temos visto nos mercados, o medo assolou todo tipo de acções. Logo, conhecer bem o comportamento destas emoções na evolução dos mercados financeiros é de extrema importância para quem quer ter sucesso.

Um exemplo básico de ganância, foi o que aconteceu no final dos anos 90, em que qualquercoisa.com era sinónimo de um bom investimento e a única dúvida que a maioria dos investidores tinham era “qual será a acção que mais sobe?”. Rapidamente esta ganância formou uma bolha especulativa, que culminou num desastre não muito diferente do que vivemos hoje (de maior ou menor amplitude). 

No sentido inverso vem o medo que lidera agora top de vendas nas sensações. Está em primeirissimo lugar há já quase um ano. Chegada esta altura, e quando tudo desce e já desce há algum tempo (altura em que as piores decisões são tomadas), toda gente vende sem perguntar porque o está a fazer, basicamente sem fundamentos. Esta apenas a vender e a perguntar depois de vender.

Do mesmo modo que a ganância dominou o mercado durante a formação da bolha especulativa “.com”, o mesmo pode ser dito da prolongada prevalência do “estado de medo” que se lhe seguiu. Nestes momentos, os investidores tendem a “vender primeiro e analisar depois”. Vendem de forma indiscriminada, bons e maus activos. Querem, a qualquer preço, ver-se livres da má sensação, que começa a ser física, que se apoderou do seu espírito e corpo. Nestes momentos, os investidores agem quase como se “não existisse amanhã”.

A propósito, Warren Buffet diz “Sê medroso quando a maioria é ganâncioso; e sê ganancioso quando a mesma maioria se tornou medrosa.”. Chama-se a isto a teoria da opinião contrária, tema que abordarei mais a frente.

Esta regra torna este momento, um bom momento para investir. Isto para quem tem paciência e não precisa do dinheiro num horizonte de 4/5 anos.

Neste momento uma coisa é certa, estamos mais próximos do fundo que há 6 meses atrás. A grande incógnita é se daqui a outros 6 meses estamos ainda mais próximos do fundo que agora.

Bons Investimentos!!!

“Este texto reflecte apenas uma opinião pessoal e não deve ser considerado como um aconselhamento de investimento. Sempre que o autor do texto detiver acções (ou posições abertas em mercados derivados) que tenham sido objecto de referência no texto, ele fará divulgação desse facto.” O Maisvalias não se responsabiliza por mais ou menos valias resultantes de acções tomadas com base neste texto.

partilhar

Deixar uma resposta