Carteira de fundos: dicas para bem investir

Pretende avançar com a construção de uma carteira de fundos de investimento mas não sabe como o fazer, o que escolher. Pois bem, encontre aqui algumas dicas que lhe podem ajudar a traçar o caminho mais acertado para si.

  • Estude ao pormenor as ofertas

Antes de tomar qualquer decisão é fundamental que pesquise o máximo que puder, de forma a conhecer em particular cada um dos produtos que o mercado lhe tem para oferecer. Para isso, pode recorrer às informações disponíveis em:

1. www.apfipp.pt

Trata-se do portal da Associação Portuguesa de Fundos de Investimento, Pensões e Património e é recomendado para comparar os desempenhos e a classe de risco de todos os fundos de investimento nacionais.

2. www.cmvm.pt

Trata-se do portal da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, no qual pode acompanhar as transacções realizadas por um determinado fundo durante o mês.

  • Foque-se na consistência dos ganhos

Manter a consistência nos ganhos é uma das ideias-chave para ser bem sucedido. Se, porventura, estiver a vacilar na escolha entre dois fundos não compare rendibilidades em períodos de tempo curtos.

  • Arrisque no renome do fundo

Agarre-se à reputação de um fundo, procurando saber qual a evolução do mesmo em termos de estrelas Morningstar (critério de avaliação que considera as rendibilidades passadas, comissões, estratégias seguidas e perfil da equipa de gestão do fundo).

  • Analise bem o prospecto e a ficha técnica

Leia cuidadosamente o prospecto do produto e a ficha técnica, de forma a ficar esclarecido não só quanto à estratégia delineada para a gestão do fundo mas também quanto às potenciais rendibilidades que poderá amontoar. Só depois de perceber exactamente o que vai comprar é que deve tomar uma decisão.

  • Jogue com os rácios financeiros

Até agora só lhe falamos de rendibilidades. No entanto, é importante alertar que a comparação de fundos de investimento não se reduz apenas à análise destas.

Assim, tenha também em conta o nível de risco e coloque na balança o rácio de Sharpe. Lembre-se que só pode comparar fundos da mesma categoria e que deve seleccionar aquele que lhe ofereça o rácio de Sharpe mais elevado.

  • Conte com a ajuda de alguém especializado

Caso não se sinta apto a tratar dos seus investimentos, pode sempre valer-se das competências de um profissional de gestão de activos. Mas atenção. Aproveitamos para lhe lembrar que, nestas circunstâncias, uma relação de compromisso é sempre assumida, ou seja, que ao colocar o seu dinheiro nas mãos de terceiros não significa que a responsabilidade esteja apenas do lado de quem gere as suas economias.

  • Não esqueça as comissões

Chegou a vez de fazer contas às comissões, especialmente às de gestão que são inevitáveis e cujos valores dependem normalmente dos activos integrantes do fundo. Pense bem. Se custos mais elevados justificarem ganhos maiores, então, fará sentido subscrever um fundo que cobre comissões de gestão mais elevadas.

partilhar

Deixar uma resposta