Obrigações de Tesouro – Custos e Comissões

Obrigações do Tesouro como Investimento?

Encontrar soluções e alternativas que ofereçam o melhor retorno possível é uma das maiores preocupações dos investidores modernos e o que é um facto é que continuam a existir e a surgir produtos bastante competitivos.

Obrigações do tesouro e as suas despesas e comissões

As obrigações do tesouro são isso mesmo, uma oportunidade. Mas atenção à sua rendibilidade real. É que, após as despesas de manutenção como a comissão de guarda dos títulos e outras comissões bancárias, como as comissões mínimas sobre os juros e/ou reembolso, ainda deverá adicionar as despesas fiscais. No final das contas, a taxa interna de retorno poderá ser bem mais magra que o inicialmente previsto e, em alguns casos, acabar em prejuízo. Ainda assim, as Ots são mais atrativas que muitos outros títulos, se não forem vendidas antes da data de vencimento.

Quanto rendem as Obrigações do Tesouro?

Atualmente a sua rendibilidade média anual líquida encontra-se acima dos 8% mas é fundamental consultar as condições do intermediário bancário ou financeiro e não esquecer que, na maior parte dos casos, o valor apresentado corresponde à rendibilidade bruta. E atenção, investir numa carteira de OTs com menos de cinco mil euros pode ser pouco interessante, especialmente se comparado com a taxa efetiva líquida anual de alguns dos atuais depósitos bancários a prazo.

Não percebo nada disto!

Nesse caso só lhe resta ler mais alguns artigos acerca das obrigações do tesouro ou subscrever um depósito a prazo promocional que talvez lhe dê mais retorno!

partilhar

0 comments on “Obrigações de Tesouro – Custos e Comissões”

  1. Pingback: CMVM – Subscrição de Obrigações – Reforço nas Regras de Informação | Maisvalias

Deixar uma resposta