Desemprego na Zona Euro Atinge Número Recorde

O desemprego na Zona Euro fixou-se nos 11,3%, uma marca recorde, e a inflação acelerou mais do que as previsões dos economistas, à medida que os custos crescentes com a energia ameaçam agravar a depressão económica.

Desemprego na Zona Euro

A taxa de desemprego na economia das 17 nações que partilham a moeda única foi de 11,3% em Julho, de acordo com as informações cedidas pelo gabinete de estatística da União Europeia. Este valor é o mais elevado desde que o registo de dados começou, em 2005. A inflação acelerou para os 2,6% em Agosto (de 2,4% no mês anterior), um valor exibido num relatório à parte.

Um aumento de 12,4% nos preços do crude, registado nos últimos dois meses, está a deixar os consumidores e as empresas com menos dinheiro para gastar; em simultâneo, os governos continuam à procura de soluções para conter a crise das dívidas soberanas. Assim, a confiança económica desceu mais do que as previsões iniciais apontavam e o desemprego alemão aumentou pelo quinto mês consecutivo, o que contribuiu para fortalecer os sinais de que a economia na Zona Euro irá continuar a diminuir no terceiro trimestre.

Desemprego – Subidas e Descidas

Entre os Estados Membros, as taxas mais baixas de desemprego foram registadas na Áustria (4,5%), Holanda (5,3%), Alemanha e Luxemburgo (5,5%); as taxas mais elevadas foram registadas em Espanha (25,1%) e Grécia (23,1%, em Maio de 2012).

Em comparação com o período homólogo do ano passado, a taxa de desemprego caiu em dez Estados Membros, aumentou em dezasseis e continuou estável na Eslovénia. Os aumentos mais graves foram registados na Grécia (de 16,8% para 23,1% entre Maio de 2011 e Maio de 2012), Espanha (21,7% e 25,1%) e Chipre (7,7% e 10,9%).

Deixamos o gráfico oficial, publicado pelo Eurostat:

O comunicado de imprensa oficial pode ser consultado aqui: http://tinyurl.com/cbagjj2

partilhar

Deixar uma resposta