O que deve esperar deste plano de Quantitative Easing?

O quantitative easing, vem marcar algumas mudanças que podem ocorrer na economia em geral. Do 1 Trilião de euros disponíveis para este programa, 2,1% são dedicados a Portugal, quer isto dizer que 21 biliões, cerca de 13,5% da dívida portuguesa poderá passar para as mãos do BCE. (isto se usarmos como medida o peso do PIB português relativamente à zona euro)

Se houver bancos ou outras instituições financeiras com dívida do estado (português ou qualquer outro europeu), essa estará disponível para ser comprada. Passará assim a fazer parte da carteira de investimento do BCE. O juro necessário aos países para emitirem dívida deverá descer, o mesmo acontecendo com as empresas.

Com este programa, o BCE pretende injectar liquidez no mercado. Essa liquidez, chegará aos mercados por via dos bancos que terão excesso de moeda. Como o excesso de moeda hoje em dia paga juro, os bancos têm rapidamente que a colocar nas mãos de terceiros.

Ao serem feitos empréstimos a preços mais baixos, a maioria das empresas que esteja sobre endividadas, passarão a ter acesso a dinheiro mais barato, isto fará com que o impacto do QE se traduza num menor custo em juros o que por sua vez fará com que essas empresas possam aumentar os lucros ou diminuir prejuízos. Por outro lado as empresas que tenham um fluxo estável de lucros ficarão com excesso de liquidez e poderão remunerar os seus accionistas com distribuições de dividendos mais generosas.

Deveremos ver então nos próximos meses uma subida do mercado accionista, segundo a nossa opinião, nas seguintes classes:

  • Ações de pequenas empresas e médias empresas: Small & Mid Caps (não confundir com as normalmente conhecidas em Portugal como PME’s)
  • Ações de empresas com um Dividend Yield já aceitável, que passará a ser melhor no futuro, fazendo também o preço da ação subir.

E uma descida rendimento no mercado obrigacionista:

  • Obrigações do Tesouro (os Certificados de aforro e certificados do tesouro já eram), o governo tem agora margem para baixar estas taxas de juro visto que terá no próximo ano e meio cerca de 25 Biliões disponíveis indirectamente.
  • Obrigações de Emissão Privada, que também verão os seus preços esmagados face ao excesso de liquidez (pois é verdade acabaram-se as emissões de divida a 6% ao ano)

Efeitos esperados, crescimento do PIB da Zona Euro, e o aumento da inflação (para perto de 2%).

Efeitos observados por outros programas de quantitative easing:

  • Taxas de juro mais baixas na classe de activos sobre a qual vai incidir o programa de compra de dívida
  • Valorização do mercado accionista por via de melhores distribuições de dividendos, face aos juros baixos pagos pelas empresas para se endividarem
  • Aumento da inflação e aumento das expectativas de inflação
  • Aumento do Emprego e do PIB

Não se esqueça que o efeito esperado por estes programas, pode não se concretizar.

Este artigo reflete uma visão pessoal e deverá apenas ser considerado para efeitos de construção da sua própria opinião. Qualquer decisão por si tomada é e será sempre da sua responsabilidade.

Caso tenha algo a adicionar a este artigo não hesite comentar!

partilhar

Deixar uma resposta