Saiba como Ganhamos 12% ao ano com investimentos P2PLer Mais...

A crise financeira actual por Nuno Vieira

“There is nothing new except what is forgotten” – Mlle Rose Bertin

As crises financeiras estão presentes desde que existe mercados financeiros. A explicação clássica para uma crise financeira, é que esta é provocada por excessos monetários que levam a um “boom” a um “bust”. Mesmo sabendo isto de antemão, vemo-nos de novo com uma grave crise financeira, a mais grave desde 1929, provocada por excesso de liquidez, que se reflectiu no mercado imobiliário que levou à turbulência financeira nos Estados Unidos e outros países.

A primeira questão será saber a origem do excesso de liquidez. Analisando as decisões do FED, verifica-se que que este injectou demasiada liquidez na economia entre o período de 2001 a 2006, desviando-se sempre da regra de Taylor, que até aí tinha um comportamento bastante regular e um bom desempenho económico. Os motivos para este desvio foram o 9/11, e a ameaça de deflação em 2004. O primeiro, provoca um pânico generalizado, tendo a FED injectado liquidez para acalmar os mercados em tumulto. O segundo é um erro, pois a deflação não era de recessão, mas originada por um acréscimo de produtividade que fez baixar os preços. Utilizando o modelo empírico da regra de Taylor verifica-se que se a FED a tivesse seguido não teria havido o “boom” e o “bust” no mercado imobiliário. (mais…)

Ler mais

Poderão as Capacidades de Investimento ser Ensinadas?

Nos anos 80 um dos melhores especuladores financeiros americanos, Richard Dennis conhecido por ter transformado 400 dólares em 200 milhões em cerca de 15 anos de especulação em divisas, mercadorias e taxas de juro teve uma pequena disputa ideológica com o seu sócio e amigo William Eckhardt. Richard Dennis teimava que as capacidades de ser um bom especulador/ investidor financeiro não eram inatas, e que poderiam ser ensinadas. Em suma, Dennis defendia que um investidor de sucesso poderia ser “criado”, enquanto que Eckhardt defendia que os traders eram “nascidos”, isto é, ou tinham capacidades inatas para a função ou nunca seriam capazes de ter um desempenho elevado. (mais…)

Ler mais